collapse

* Posts Recentes

Super obsolescência super programada? por SerraCabo
[06 de Agosto de 2022, 11:36]


Motor de aspirador por dropes
[02 de Agosto de 2022, 22:18]


Serviço de dessoldar e soldar micro-usb tlm Samsung GT-S6312 por senso
[01 de Agosto de 2022, 22:20]


Condensador Poly .47K X2 por brunus
[26 de Julho de 2022, 16:11]


pequeno robot arte por Robotarium
[21 de Julho de 2022, 15:45]


Diferença entre fontes por jm_araujo
[13 de Julho de 2022, 09:27]


Dual Op-amp Test board - uma ideia simples, barata e bem esgalhada. por dropes
[10 de Julho de 2022, 20:35]


PHILCO Radio Manufacturing Factory Automation 1929 por SerraCabo
[10 de Julho de 2022, 18:22]


Meu novo robô por josecarlos
[08 de Julho de 2022, 23:06]


Desenvolvimento para RaspberryPi Pico em Windows < 10 por KammutierSpule
[06 de Julho de 2022, 09:15]

Autor Tópico: "Façanhas"  (Lida 433 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline SerraCabo

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 996
    • Serra Cabo
"Façanhas"
« em: 10 de Junho de 2022, 16:36 »
Por volta de 1976-77, estive com um grupo de malta na zona de Ferreira do Zêzere. A casa, da família de um primo meu, tinha um poço e uma bomba, havia água e, portanto electricidade. Tinha um TV que não funcionava.

Abri o TV (a válvulas) e dei uma vista de olhos pelos ‘locais habituais’ e deparei com uma resistência queimada junto da válvula PL504 (potência de varrimento horizontal e do gerador de alta tensão). A resistência ligava a alimentação (uns 300Vdc) à segunda grelha onde havia um condensador de desacoplamento. O condensador deveria estar em curto e a resistência queimou. Acontecia frequentemente.

A resistência tinha habitualmente entre 1800 e 2200 Ohm, Já não era possível saber-se o valor dela … nem o valor exacto era importante.

E então? … pergunta a malta.

Com uma tesoura cortei o condensador e comecei o hocus-pocus.

Arranjei um copo, um par de molas da roupa e um par de fios. Liguei os fios aos terminais da resistência queimada, descarnei (dantes dizia-se descasquei) uns 5cm nas outras pontas e prendi-as com as molas aos bordos interiores do copo, o mais possível afastadas. Enchi o copo de água e liguei o TV. Nada. Tinha som mas não tinha imagem.

Puxei do saleiro e de um garfo com cabo de plástico, fui deitando sal na água do copo e mexendo. A certa altura a imagem do TV começou a acordar, fui deitando até que se visse bastante bem. A falta do condensador provocava alguma distorção na geometria horizontal mas … azar. Já se podia ver TV.

E assim ficou uma semana. Aí pelo 4º dia a coisa começou a ir-se abaixo. A água estava verde (um sulfato de cobre qualquer) mas mais umas pitadas de sal resolveu a coisa.

Hoje, eu tenho uma casa a 50m dessa. Estava eu em casa dele a beber um café e ele diz-me que o esquentador não acende. O esquentador é exactamente igual ao meu, dos que tem um pequeno gerador no circuito de água e uma ignição automática.

Quando se abria a água um led piscava mas não havia faisca. Eu sabia que a cada piscadela deveria corresponder um estalo e respectiva faísca mas não havia nem estalo nem faisca.

Desmontei o circuito e procurei o transformador que gera a faisca. Estava à vista e comecei a olhar com cuidado para ver se alguma coisa por ali saltava à vista. Um dos terminais do transformador estava encostado a um montículo de solda no circuito impresso. Pareceu-me estar ligeiramente  saliente e empurrei-o para ver o que acontecia … e ele deslocou-se. Estava há uns 20 anos apenas encostado e resolveu naquele dia deixar de fazer contacto.

Apenas tinha comigo as ferramentas básicas, sem ferro de soldar, mas tinha um pedaço de solda típica para estas coisas. O meu primo sugeriu que fossemos a uma loja qualquer comprar um ferro de soldar manhoso, mesmo que trabalhasse apenas uma vez. Mas eu resolvi voltar a armar-me aos cucos e ‘empreender mais uma façanha’. Fui à mala de ferramenta buscar um grifo, saquei num caixote uma cavilha, acendi o fogão … e o esquentador ficou a trabalhar.

Diverti-me que nem um nababo. Da primeira vez ainda havia umas miúdas para eventualmente impressionar, mas tive azar. Desta vez não havia propriamente miúdas.



Offline jm_araujo

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 2.861
  • NERD!
Re: "Façanhas"
« Responder #1 em: 11 de Junho de 2022, 09:17 »
Ferro de soldar improvisado.ja usei algumas vezes. Costumo usar mais o clip com isqueiro, mas o teu é melhor!

Agora reparar uma TV com um copo de água salgada está demais! Muito engenhoso e gostava de ver a cara de quem encontrava esse cenário montado. É das que fica para a história!

Offline blabla

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 235
Re: "Façanhas"
« Responder #2 em: 12 de Junho de 2022, 15:25 »
Boa tarde,

fantástico @SerraCabo, fantástico!
Mesmo muito bom!

A do copo de água com sal, para variar a "resistência do copo de água", está de facto genial! Já tinha visto pessoal a fazer resistências com as minas de lápis de vários tamanhos, a grafite misturada com argila, mas com copo de água e sal acho que nunca tinha visto.
hehehehehe

Cumprimentos e bom resto de domingo,
João

Offline Njay

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 3.593
    • Tróniquices
Re: "Façanhas"
« Responder #3 em: 12 de Junho de 2022, 19:29 »
top :D ;D

Offline TigPT

  • Administrator
  • Mini Robot
  • *****
  • Mensagens: 5.364
    • Tiago Rodrigues
Re: "Façanhas"
« Responder #4 em: 14 de Junho de 2022, 11:21 »
Muito bom, obrigado por partilhares e por nos inspirares, ferramentas estão disponíveis à nossa volta e nem as vemos, falta engenho para saber ver o que nos rodeia e nos ajudar a resolver os problemas que temos em mãos.

Offline SerraCabo

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 996
    • Serra Cabo
Re: "Façanhas"
« Responder #5 em: 14 de Junho de 2022, 15:42 »
Aqui vai uma adenda à mesma história (anos 70).

A curta distância da casa onde estávamos havia outra, 4 paredes em pedra e terra empilhada, telhado interiormente a descoberto, uma cerca interior em madeira que serviria de quarto, a um canto um borralho (a lenha) onde se faria a comida, e uma “sanita” num barraco fora da casa. Era ampla, apesar de tudo. Suspeito que, em tempos ainda mais recuados, teria também servido de curral.

Nessa casa morava a D. Conceição, muito idosa. Pelas voltas da vida é a casa onde me encontro, já com ‘equipamento’ consentâneo aos hábitos do século passado.

Pois a D. Conceição topou que a TV estava a funcionar, subiu as escadas, olhou para o ecrã e disse:

 - Não podem pôr as festas de Ferreira do Zêzere?
Uma das moças, atrapalhada, explicou-lhe que tal não era possível porque a TV dava apenas as imagens que eram transmitidas “pelos gajos da TV, lá em Lisboa”.

Ela olhou para a TV, para a Moça e, com ar de reprovação disse:
 - Para que querem então vocês uma coisa que não serve para dar o que vocês querem?

Não suspeitámos que as palavras dela viriam, bastante mais tarde, a ter um significado muito para além do que parecia, ao ponto de, de vez em quando, ainda falarmos nisso.