collapse

* Posts Recentes

Autor Tópico: Polos sombreados - Motor histerese  (Lida 3543 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline c3dr1c

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 854
Polos sombreados - Motor histerese
« em: 11 de Junho de 2011, 13:32 »
Boas
Tenho aqui um motor de histerese monofasico so que nao sei como funciona o estator.
Geralmente os motores de histerese precisam de criar um campo girante tal como nos motores de indução, so que como este nao tem polos nao sei como fazem. Será que aqueles ferrinhos do rotor que se vêm nas fotos sao polos sombreados?








Abraços
"O único modo de descobrir os limites do possivel é aventurarmo-nos um pouco para além deles em direcção ao impossivel."

Uma das Três Leis de Arthur C. Clarke

Offline andre_f_carvalho

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 1.469
    • Pro - andrefcarvalho
Re: Polos sombreados - Motor histerese
« Responder #1 em: 11 de Junho de 2011, 18:15 »
Esse novos não tem escovas, como os motores de corrente alternada costumam ter?

Offline senso

  • Global Moderator
  • Mini Robot
  • *****
  • Mensagens: 9.720
  • Helpdesk do sitio
Re: Polos sombreados - Motor histerese
« Responder #2 em: 11 de Junho de 2011, 18:30 »
Avr fanboy

Offline c3dr1c

  • Mini Robot
  • *
  • Mensagens: 854
Re: Polos sombreados - Motor histerese
« Responder #3 em: 11 de Junho de 2011, 21:20 »
Nop, este tipo de motores nao precisa de escovas. A histerese passada do stator para o rotor cria o binario.

Mas pelo que tenho lido, os motores monofasicos de histerese, precisam ou de ter um enrolamento secundario a 90º do enrolamento principal e um condensador em serie com o enrolamento principal........   ou de ter polos sombreados. Como este nao tem nenhum enrolamento secundario, leva-me a crer que aqueles ferritos entre o rotor e o estator, na 1º e 2º imagem, sao os tais polos sombreados.

Se bem pelo que tenho lido, polos sombreados, sao enrolamentos de cobre curto circuitados.

Tou todo baralhado.

"O único modo de descobrir os limites do possivel é aventurarmo-nos um pouco para além deles em direcção ao impossivel."

Uma das Três Leis de Arthur C. Clarke